Saturday, January 06, 2007

Somália

Tenho vindo a acompanhar a intervenção na Somália com algum interesse. Parece, pelo que tenho visto, que alguém (a Etiópia) finalmente decidiu acabar com o autêntico bordel em que este país(?) se tornou. Desejo-lhes (aos Etíopes) boa sorte na sua tentativa de instaurar na Somália, se não uma democracia, pelo menos a ordem.

P.S.
Vi nos media alguns liberaizitos a condenar a Etiópia (e claro, os Estados Unidos, que dão o seu apoio) por interferir nos assuntos internos da Somália. Estas pessoas deviam ter vergonha na cara. Os assuntos internos a que se referem são uma guerra civil e uma anarquia que já duram à quinze anos! E ainda dizem eles que são pela paz...

Tuesday, November 07, 2006

Mid-Term elections

Estamos então de volta a eleições nos Estados Unidos. Tenho corrido os jornais e alguns blogs. Inesperadamente (parece impossível!), os media estão repletos de propaganda de esquerda pelos Burros (Donkey é o símbolo do Partido Democrático, símbolo aliás que se aplica perfeitamente) e os costumeiros slogans anti-Bush (o melhor Presidente dos EUA desde Reagan). Acho divertidamente escandaloso que alguém possa apoiar "those UN pussies", que defendem o (desastroso) estilo europeu de Estado e apoiem uma retirada humilhante do Iraque, deixando a jovem democracia (e os cobardes europeus) aberta a uma tomada de poder terrorista (como já devem ter notado, sou um Republicano convicto).

P.S.
O Saddamzinho já recebeu a sua merecida pena. Também não me importava que fosse uma perpétuazinha em Guantanamo, mas a forca servirá. Espero que o nó esteja mal dado e ele sufoque até a morte. Por falar nisso, o apelo à comutação da pena pela UE é vergonhoso e os europeus deviam ter nojo de si próprios (e do estado a que a Europa chegou).
Isto foi escrito em Lisboa, que por enquanto ainda não é árabe...

Monday, March 06, 2006

A ("crise") Iraniana

Dizem-nos os iranianos que nada fará parar o seu programa nuclear. Pois é, o Irão (ou deverei dizer a Pérsia?) parece que tem memória curta. Parece até que não viram o que aconteceu ao Iraque: quando o Saddam levantou a bola, levou na tromba dos israelitas.
Mas desta vez estão a brincar com os Estados Unidos, o que significa que se estão a habilitar a bem mais que um ataquezito aério...

(Já agora, aproveito, para alguém que se importe, de informar que não morri. Apenas não vi grande coisa sobre a qual valesse a pena escrever.)

Wednesday, January 25, 2006

Resultados das Presidenciais

É preciso dizer, antes de mais, que os resultados das eleições me satisfizeram. Gostei de ver o Soares a ser derrubado do trono, e, acima de tudo, gostei de ver esses bandalhos da esquerda a ficarem com cara de cu. Um dos meus estimados professores disse inclusive, quando viu que estava tudo, em silêncio, ensonado e completamente nas tintas para o que ele estava a dizer, o comentário que se segue, e que era suposto ter piada: Então, estão de tudo por causa das eleições? Ah ah. Este estimado e aborrecido professor, que não consegue guardas as suas opiniões políticas, é o produto típico da esquerda "moderna" (ou seja, tele evangelista-like), uma esquerda de confiança (em que não se pode confiar), uma esquerda com determinação (em conquistar o poder absoluto), uma esquerda que insidiosamente derrama o seu veneno politicamente correcto nas mentes das crianças e dos jovens através do nosso sistema de ensino, onde a verdade só é verdadeira quando é conveniente. 1984 forever! No passarán!

Sunday, January 15, 2006

O rei, os príncipes e o tótó

Estamos a mais ou menos uma semana das eleições e como candidatos temos um gordo rico em delírio, que se está a candidatar sem nenhum objectivo, tirando o seu engrandecimento pessoal (Mário Soares), um poeta falhado, que nem para escrever serve, quanto mais para ser Presidente (Manuel Alegre), um padreco da religião da demagogia e do políticamente correcto, que só visita sítios onde as pessoas nem sequer devem estar recenseadas (Francisco Anacleto Louçã), um homem que realmente trabalha (!) e com um passado político não populista (Cavaco Silva), e, finalmente, temos Jerónimo de Sousa.
Jerónimo de Sousa deve ser o candidato de esquerda mais honesto destas eleições, visto que parece realmente acreditar no que diz. Embora abrace uma causa pertencente ao passado e que tenha morrido com a queda do Império Soviético (que, graças a Putin, está prestes a reaparecer) o homem continua agarrado ao estalinismo, embora o estalinismo já tenha seguido o caminho dos mastodontes, e penso que o tipo vive no passado. Ainda assim, se for de esquerda e passar por aqui, digo-lhe: se estiver indeciso entre votar neste ou votar no Louçã, vote antes neste. É tão idiota como o Louçã, mas este ou menos é honesto.

Monday, December 12, 2005

É demagogia...

Mais notícias do nosso tele-evangelista local, um ex-camarada dedicado do PSR, esse partido que era moderadíssimo e portador da chave para o derradeiro paraíso operário (a URSS e a China, já para não falar da Coreia do Norte, não resultaram lá muito bem). Estou a falar, claro, de Françisco (Anacleto) Louçã, um homem (acho eu) que não hesito em apelidar de palhaço, que voltou a afundar no debate de hoje com o Pateta Alegre. Bolas. Quando o Louçã fala, eu até tenho visões. Não do derradeiro paraíso operário ou do Deus Vermelho dele, é mais do género do "Mande o seu donativo agora para o 21 1744829 e obtenha a salvação do capitalismo, esse bicho papão horrível!"
Defendendo medidas populistas e irrealizáveis, mesmo num país como a França, quanto mais em Portugal, Louçã é de facto um imbecil, um produto do nosso prestigiado sistema educativo, onde em vez de ensinarem a verdade ensinam, em linguagem típica de merda, ensinam apenas a verdade que é politicamente aceitável, e que para meu horror, vai mudando de acordo com as ocasiões. Enfim...

Saturday, December 10, 2005

My Vietnam

Há 30 anos, no Extremo Oriente, deu-se um acontecimento muito importante importante, um precedente perigoso, na altura muito noticiado (pelo que ouvi dizer, ainda não via as notícias, devido ao pequeno pormenor de ainda não ser nascido), mas hoje esquecido: a queda final da República do Vietname do Sul.
Porquê um acontecimento importante, e, acima de tudo, um precedente perigoso? Passo a explicar: Pela primeira vez na História, os Estados Unidos deixaram mal um aliado e deixaram um inimigo violar um tratado assinado pelos Estados Unidos.
A ineficaz política de retenção no Vietname, combinadas com um movimento pacifista perdulário pró-soviético fez com que Nixon pusesse as eleições à frente da política externa, "perdendo" assim a Guerra do Vietname.
Uma amarga ironia, este "perdendo", visto que, militarmente, as forças combinadas dos Estados Unidos e do Vietname do Sul ganharam praticamente todas as batalhas da guerra, incluindo, ironia suprema, a ofensiva do Tet, que foi a maior vitória da guerra, com cerca de 200 mil baixas entre o exército Norte-Vietnamita. mas sou da opinião que Ho Chi Minh, que embora comunista não era estúpido, lançou esta ofensiva, não para conquistar as cidades em si, mas para surtir o seguinte efeito:
Os comunicados do governo americano eram verdadeiros: estavam de facto a ganhar. O Tet serviu para dar imagens aos media ocidentais, "provas" do contrário. O Tet foi o maior golpe publicitário que já alguma vez vi. Os media estúpidos como são, engoliram o isco (o anzol e a linha, também). Funcionou.

A Guerra do Vietname não foi perdida na selva; foi perdida nas ruas de Washington.